(qãsam): “adivinhar, praticar adivinhação”.

Extraído do dicionário VINE.

Os cognatos desta palavra aparecem no aramaico recente, cóptico, siríaco, mandeano, etiópico, palmiro e árabe. Esta raiz aparece 31 vezes no hebraico bíblico: 11 vezes como verbo, nove vezes como particípio e 11 vezes como substantivo.
A adivinhação era o paralelo pagão de profetizar: “Entre ti se não achará quem laça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro.
Porque estas nações, que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa. O SENHOR, teu Deus, te despertará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis” (Dt 18.10,14,15, primeira ocorrência.)

O termo qãsam é uma busca da vontade dos deuses, no afã de tomar conhecimento de sua ação futura ou bênção divina sobre alguma ação futura proposta (Js 13.22). Parece provável que os adivinhos conversem com demônios (1 Co 10.20).
A prática da adivinhação podia envolver a oferta de sacrifícios à deidade num altar (Nm 23.1ss). Também podia requerer o uso de um buraco no chão, pelo qual o adivinho falava com o espírito dos mortos (1 Sm 28.8). Em outras ocasiões, um adivinho sacudia flechas, consultava ídolos familiares ou estudava o fígado de animais mortos (Ez 21.21, ARA).
A adivinhação era uma das tentativas do homem saber e controlar o mundo e o futuro, à parte do Deus verdadeiro. Era o oposto da verdadeira profecia, que é essencialmente submissão à soberania de Deus (Dt 18.14).

Talvez os usos mais surpreendentes desta palavra estejam em Nm 22—23 e Pv 16.10, onde parece ser equivalente a profecia. Balaão era famoso entre os pagãos como adivinho: ao mesmo tempo, ele reconhecia Jeová como seu Deus (Nm 22.18). Ele aceitou dinheiro pelos serviços que ia prestar e provavelmente não deixaria de ajustar a mensagem para agradar o cliente. Isto explicaria por que Deus. zangado, o confrontou (Nm 22.22.ss). embora lhe tivesse dito para aceitar a incumbência e ir com a escolta (Nm 22.20). Parece que Balaão estava resolvido a agradar o cliente. Logo que esta resolução foi mudada para submissão, Deus o enviou em sua jornada (Nm 22.35).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sábado - Ef 5.31-33®LBA¬ A sacralidade da família.

Terça - Is 65.20-22LBA A longevidade humana, característica do Reino Milenar de Cristo.

Quinta - Mt 25.46LBA Há na eternidade um lugar para os justos e outro para os injustos.

Segunda - At 24.15 ®LBA¬ Todos os mortos serão ressuscitados.

(SUBSÍDIO TEOLÓGICO) LIÇÃO 13/2017- A FAMÍLIA E A SUA NATUREZA

Terça – Lv 23.4,5 -LBA- Páscoa, uma das principais festas israelitas.

Sexta – Lc 22.1,2 -LBA- A conspiração contra Jesus antes da Páscoa.

Quinta – Mt 26.17,18 -LBA- A orientação de Jesus e o preparo da Páscoa.

A MORTE

A CIDADE DE JERUSALÉM