Confissão

A confissão é simplesmente o reconhecimento  de um fato acerca de si próprio ou de outrem. Assim, ela tanto pode ser o desvendar dos pecados pessoais, num ato de contrição (o  reconhecimento da nossa miséria e falibilidade), com o uma afirmação da grandeza e bondade de Deus (o  reconhecimento da santidade e perfeição divinas). Ambos os significados encontram -se tanto no hebraico com o no grego, e em  português.
Quando Paulo fala: “Se, com  a tua boca, confessares ao Senhor Jesus ”, em  Romanos 10.9, ele tem em mente o  reconhecimento de Jesus Cristo com o o Filho de Deus, enviado ao mundo para tornar- se o  nosso Salvador e Senhor. O texto não constitui uma referência à “confissão de pecados”, e sim à “confissão do nome do Senhor”. Pelo menos dois vocábulos hebraicos são traduzidos por “confissão” nas páginas do Antigo Testamento. O primeiro, todah , é  derivado do segundo, yadah .  Ambos permitem os dois sentidos já menciona­ dos, com o por exemplo em Esdras 10.10,11: “Vós tendes transgredido e casastes com  mulheres estranhas, multiplicando o delito de Israel. Agora, pois, fazei confissão  [todah] ao Senhor, Deus de vossos pais, e fazei a sua vontade” (grifos do autor). Quando há dificuldade, o
contexto é que deve determinar se ambos ou apenas um sentido —  e qual deles —  se aplica à passagem. Tanto todah  quanto yadah  estão alicerçados sobre o sentido literal de “estender a mão”. As mãos podem  levantar-se na adoração a Deus (este é o primeiro significado) ou contorcer-se em aflição, por causa dos próprios pecados (aqui, o segundo). Nas 111 ocorrências de yadah  no Antigo Testamento, ambos os sentidos de “confissão ” parecem  estar presentes. Entretanto, isso não nos deveria preocupar, pois o louvor é apropriado em meio à confissão de pecados, assim com o a confissão de pecados é apropriada quando chegam os a Deus com  nossos louvores. Precisamos sempre reconhecer toda a verdade que Deus nos revelar —  tanto nossa própria pecaminosidade com o sua santidade e majestade.

Os dois significados de “confissão” são representados no Novo Testamento pelo termo grego h o m o l o g i a  (e derivações), cujo senti­do básico representa “aquilo que é reconhecido ou confessado” (já visto no texto de Rm 10.9 —  no caso, “confessar Jesus ”). O outro sentido de “confissão” é ilustrado em 1 Jo ã o  1.9 ( “confessar peca­dos”).- “Se confessarmos  o s  nossos  pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (grifo do autor).
         O significado de “confessar”, conforme se apresenta nos capítulos seguintes, é primariamente o reconhecimento  d o  p e c a d o ,  tanto perante Deus com o diante das pessoas, sendo este um
elemento essencial da oração eficaz. Este significado ficou indelevelmente impresso nos israelitas através da cerimônia anual de libertação de um bode n o deserto, no Dia da Expiação.

 E Arão porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel e todas as suas transgressões, segundo todos os seus pecados; e os porá sobre a
cabeça do bode, e enviá-lo-á ao deserto, pela mão de um homem  designado para isso. Assim, aquele b ode levará sobre si todas as iniquidades deles à terra solitária; e o homem enviará o bode ao deserto (Lv 16 .2 1,2 2).

Isso simbolizava não somente o fato de que Deus cobriria os pecados deles com  o preço da redenção, o  sangue vertido; mas que seus pecados desapareceriam para sempre da memória de Deus. Um notável exemplo de confissão em oração acha-se em  Salmos 51.3,4:

“Porque eu conheço  as minhas transgressões, e o  meu pecado está sempre diante de mim. Contra ti, contra ti som ente pequei, e fiz o que a teus olhos é mal, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares”.



Retirado do livro: Teologia Bíblica da Oração. O Espirito nos ajuda a orar.

Robert L. Brandt e Zenas J. Bicket
Todos os direitos reservados. Copyright © 2007 para a língua portuguesa da Casa
Publicadora das Assembléias de Deus. Aprovado pelo Conselho de Doutrina.
Título do original em inglês: The Spirit Help Us Pray
Logion Press, Springfield, Missouri
Primeira edição em inglês: 1993
Tradução: João Marques Bentes
Revisão: Gleyce Duque
Editoração: Flamir Ambrósio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sábado - Ef 5.31-33®LBA¬ A sacralidade da família.

Terça - Is 65.20-22LBA A longevidade humana, característica do Reino Milenar de Cristo.

Quinta - Mt 25.46LBA Há na eternidade um lugar para os justos e outro para os injustos.

Segunda - At 24.15 ®LBA¬ Todos os mortos serão ressuscitados.

(SUBSÍDIO TEOLÓGICO) LIÇÃO 13/2017- A FAMÍLIA E A SUA NATUREZA

Terça – Lv 23.4,5 -LBA- Páscoa, uma das principais festas israelitas.

Sexta – Lc 22.1,2 -LBA- A conspiração contra Jesus antes da Páscoa.

Quinta – Mt 26.17,18 -LBA- A orientação de Jesus e o preparo da Páscoa.

A MORTE

A CIDADE DE JERUSALÉM