Comunhão

Ao descrever a oração, uma definição de dicionário da palavra “comunhão” é especialmente apropriada: “íntimo companheirismo ou afinidade”. A idéia de pessoas comungando-se com  Deus é muito evidente nas Escrituras; e a primeira instância, após a queda, é registrada em  Êxodo 25-22, quando Deus fala com  Moisés: “E ali virei a ti e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins (que estão sobre a arca do Testem unho), tudo o que eu te ordenar para os filhos de Israel”. A expressão “falarei contigo” (logo depois de “virei a ti”) é uma tradução literal da palavra hebraica davar  —  seu sentido comum é exatamente “falar”. Quando dois seres comungam, eles se reúnem  e falam. A aplicação à oração é óbvia. No Novo Testamento, temos a palavra grega koinonia  ( “comunhão”), que se aplica de modo similar à oração, subentendendo uma relação de intimidade entre Deus e uma pessoa. Paulo a utiliza em 2 Coríntios 13.13, em sua bênção apostólica: “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a c o m u n h ã o  do Espírito Santo sejam com vós todos” (grifo do autor). Essa mesma palavra aparece em outras passagens, como Filipenses 2.1 e 1 João 1.3, sendo também traduzida por “comunhão”. Para os propósitos de nosso estudo, a palavra
“comunhão” indica companheirismo e identificação pessoal, afinidade. Pressupõe intimidade, confiança e solidariedade, podendo ser entendida com o uma mescla de personalidades numa bendita unidade, com o o trançar de fios para formar uma única corda. Como um nível de oração, ultrapassa a comunicação pura e simples. Sugere uma intimidade exclusiva e fora do comum, com o por exemplo o  envolvimento de Abraão com Deus por causa de Sodoma e Gomorra (G n 18.17,23-33).





Retirado do livro: Teologia Bíblica da Oração. O Espirito nos ajuda a orar.

Robert L. Brandt e Zenas J. Bicket
Todos os direitos reservados. Copyright © 2007 para a língua portuguesa da Casa
Publicadora das Assembléias de Deus. Aprovado pelo Conselho de Doutrina.
Título do original em inglês: The Spirit Help Us Pray
Logion Press, Springfield, Missouri
Primeira edição em inglês: 1993

Tradução: João Marques Bentes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jorge Whitefield - Heróis da Fé.

Não deixe morrer o sonho.

A importância dos limites

Um dos maiores defensores da ortodoxia na Igreja Primitiva

Davi Brainerd – Herois da Fé- Um arauto aos peles-vermelhas

Terça - At 16.25 . LBJ. Controlando a ansiedade diante da tribulação.

Teologia Bíblica da Oração

Quinta - Rm 4.18,19 – LBJ - Fé e esperança

Quarta - Jo 16.8 –LBA- O Espírito Santo convence do pecado, da justiça e do juízo

Quinta - Hb 10.12 - A morte de Jesus foi expiatória.