Ação de Graças

A ação de graças é um reconhecimento público ou celebração da bondade divina, uma expressão de gratidão. O verbo hebraico yadah e o substantivo todah estão associados à gratidão e à ação de graças no Antigo Testamento. Essas mesmas palavras também são traduzidas em outras passagens com o “louvor” e “confissão”. O papel da ação de graças, ao se prestar honras a Deus, é ilustrado em Salmos 69-30: “Louvarei o nome de Deus com cântico e engrandecê-lo-ei com ação de graças”.
No Novo Testamento, a expressão “ação de graças” é tradução' do vocábulo grego eulogia, cujo sentido básico está associado ao louvor, e também de eu charistia (“gratidão”). Esta palavra deriva-se de eu ( “bem ” ou “bom ”) e charis ( “favor”, “graça”, “graciosidade”, “benefício”, “agradecimento”). A ligação entre a ação de graças e a oração fica bem clara em Filipenses 4.6: “As vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com a ç ã o d e g r a ç a f (grifo do autor).
A ação de graças, como um elemento da oração, tanto pode ser desvalorizada como tida em alta conta. Até hoje os judeus devotos entremeiam o dia inteiro com suas orações, no geral compostas por sentenças curtas. Mais de cem bênçãos são normalmente recitadas começando com as palavras: “Bendito sejas tu, ó Senhor, Rei do Universo”. Um judeu típico expressa um breve agradecimento a Deus ao receber notícias boas ou más, ao cheirar uma flor odorífera, ao alimentar-se, ao ver um arco-íris e ao passar por uma borrasca. Durante todo o dia o judeu devoto louva e agradece a Deus por tudo que acontece, valendo-se de  orações  curtas,  que não  compreendem mais de uma sentença. A admoestação de Paulo para orarmos “sem cessar”  (cf. 1 Ts 5.17) fica muito mais clara quando compreendemos o pano de fundo hebraico a partir do qual ele escrevia. Nos capítulos  seguintes, “ação de graças” é o reconhecimento da bondade divina, uma expressão de gratidão  a Deus,  sob  a forma  de oração (inclusive  a silenciosa),em  cântico,  música ou  língua desconhecida.

Extraído do livro Teologia bíblica da oração.

Robert L. Brandt e Zenas J. Bicket
Todos os direitos reservados. Copyright © 2007 para a língua portuguesa da Casa
Publicadora das Assembléias de Deus. Aprovado pelo Conselho de Doutrina.
Título do original em inglês: The Spirit Help Us Pray
Logion Press, Springfield, Missouri
Primeira edição em inglês: 1993
Tradução: João Marques Bentes
Revisão: Gleyce Duque

Editoração: Flamir Ambrósio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A MORTE

A CIDADE DE JERUSALÉM

Sexta - 2 Co 5.10 – LBM – O Tribunal de Cristo.

Sábado - Ap 22.20 – LBM –Jesus em breve virá.

Terça - Is 65.20-22LBA A longevidade humana, característica do Reino Milenar de Cristo.

Quinta - Mt 25.46LBA Há na eternidade um lugar para os justos e outro para os injustos.

Segunda - At 24.15 ®LBA¬ Todos os mortos serão ressuscitados.

Quinta - Ml 2.2 – LBJ – Bênçãos amaldiçoadas.

Quarta - Jd 14–LBM– A vinda de Jesus em glória.

O TEMPLO DE SALOMÃO