Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

A ORAÇAÃO EFICAZ

1Rs 18.42b-45 “Elias subiu ao cume do Carmelo, e se inclinou por terra, e meteu o seu rosto entre os seus joelhos. E disse ao seu moço: Sobe agora e olha para a banda do mar. E subiu, e olhou, e disse: Não há nada. Então, disse ele: Torna lá sete vezes. E sucedeu que, à sétima vez, disse: Eis aqui uma pequena nuvem, como a mão de um homem, subindo do mar. Então, disse ele: Sobe e dize a Acabe: Aparelha o teu carro e desce, para que a chuva te não apanhe. E sucedeu que, entretanto, os céus se enegreceram com nuvens e vento, e veio uma grande chuva; e Acabe subiu ao carro e foi para Jezreel”. A oração é uma comunicação multifacetada entre os crentes e o Senhor. Além de palavras como “oração” e “orar”, essa atividade é descrita como invocar a Deus (Sl 17.6). Invocar o nome do Senhor (Gn 4.26), clamar ao Senhor (Sl 3.4), levantar nossa alma ao Senhor (Sl 25.1), buscar ao Senhor (Is 55.6), aproximar-se do trono da graça com confiança (Hb 4.16) e chegar perto de Deus (Hb 10.22). MOTIVOS PARA…

O CONCERTO DE DEUS COM DAVI

2Sm 7.16 “...a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; teu trono será firme para sempre”. A NATUREZA DO CONCERTO COM DAVI. (1) Embora a palavra “concerto” não ocorra literalmente em 2Sm 7, é evidente que Deus estava estabelecendo um concerto com Davi. Em Sl 89.3,4, por exemplo, Deus diz: “Fiz um concerto com o meu escolhido; jurei ao meu servo Davi: a tua descendência estabelecerei para sempre e edificarei o teu trono de geração em geração” (ver também Sl 89.34-36). A promessa de que o trono do povo de Deus seria estabelecido para sempre através da descendência de Davi é exatamente a mesma que Deus fez a Davi em 2Sm 7 (note-se especialmente no v. 14). Além disso, posteriormente em 2Samuel, o próprio Davi faz referência ao “concerto eterno” que Deus fez com ele (2Sm 23.5), sem dúvida aludindo a 2Sm 7. (2) Os mesmos dois princípios que operam noutros concertos do AT também estão em evidência aqui: apenas Deus estabelecia as promessas e os deveres do seu concerto e…

A IDOLATRIA E SEUS MALES

1Sm 12.20,21 “Não temais; vós tendes cometido todo este mal; porém não vos desvieis de seguir ao SENHOR, mas servi ao SENHOR com todo o vosso coração. E não vos desvieis; pois seguiríeis as vaidades, que nada aproveitam e tampouco vos livrarão, porque vaidades são.” A idolatria é um pecado que o povo de Deus, através da sua história no AT, cometia repetidamente. O primeiro caso registrado ocorreu na família de Jacó (Israel). Pouco antes de chegar a Betel, Jacó ordenou a remoção de imagens de deuses estranhos (Gn 35.1-4). O primeiro caso registrado na Bíblia em que Israel, de modo global, envolveu-se com idolatria foi na adoração do bezerro de ouro, enquanto Moisés estava no monte Sinai (Êx 32.1-6). Durante o período dos juízes, o povo de Deus frequentemente se voltava para os ídolos. Embora não haja evidência de idolatria nos tempos de Saul ou de Davi, o final do reinado de Salomão foi marcado por frequente idolatria em Israel (1Rs 11.1-10). Na história do reino dividido, todos os reis…

Sábado - 2 Co 4.18 –LBJ- Atentando no que não se vê.

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.

Paulo sabia que os sofrimentos que ele suportava eram, na verdade, leves e momentâneos, em comparação com a duração do tempo em que ele desfrutaria da presença de Deus - uma glória enorme e eterna, muito maior do que o sofrimento. O que verdadeiramente importa - o que é eterno e permanente - não pode ser visto, tocado, ou medido. Somente com os olhos da fé as pessoas podem esperar pelo que ainda não viram. Somente com os olhos da fé elas podem começar a entender, com a ajuda de Deus, o eterno significado das suas ações. A esperança de um crente não está neste mundo.
A esperança de um cristão não está no poder e na riqueza que podem ser acumulados na terra. Na verdade, a esperança de um cristão está em Cristo - alguém que não pode ser visto neste momento (Rm 8.24; Hb 11.1). Apesar disto, Jesus Cristo e a sua importância na vida de cada pessoa são suficientemente reais. E por isto que Paulo encorajou os coríntios a viverem pel…

Sábado - 1 Co 12.4– LBA - São muitos os dons espirituais.

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.

Nessa carta, as respostas de Paulo às perguntas dos coríntios têm, até agora, enfocado a unidade entre os crentes, a ordem na igreja, e a exaltação de Jesus Cristo. Portanto, no que concerne aos dons espirituais, Paulo estava com receio de que a dedicação dos coríntios a algum dom particular, como as “línguas” ou o discurso estático, pudesse dividi-los. Embora não se conheça o exato teor dessa pergunta, não há dúvida de que Paulo desejava que os crentes entendessem que as línguas tinham a sua importância, mas não deveriam ser consideradas como o maior dom. No contexto mais abrangente dos dons espirituais, o dom de línguas representava apenas um deles. Há diversidade de dons... há diversidade de ministérios... há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. O povo de Deus recebe muitos tipos de dons, e nenhum dom é melhor do que outro. Todos eles vêm de uma única fonte e devem ser usados com um único…

Sexta - Jo 20.29 –LBJ-Felizes são os que creem.

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.
Embora Tomé proclamasse que Jesus era seu Senhor e seu Deus, Jesus o repreendeu porque ele tinha tido que ver antes de crer. Bem-aventurados são os que não viram e ainda assim, creram. Algumas pessoas pensam que poderiam crer em Jesus se pudessem ver um sinal definido ou um milagre. Mas Jesus diz que somos bem-aventurados se pudermos crer sem nada ver. Nós temos todas as provas de que precisamos nas palavras da Bíblia Sagrada, e no testemunho de outros crentes.

Sexta - 1 Co 12.7– LBA -Os dons espirituais .

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.

Cada crente tem, pelo menos, um dom espiritual para ser usado para o que for útil para a igreja. Alguns interpretaram esse versículo como uma sugestão implícita de que cada pessoa deva ter um dom; portanto, cada crente precisa identificá-lo e insistir em usá-lo. Pode ser verdade que cada crente tenha um dom natural ou espiritual (12.11), mas essa declaração estava dirigida àqueles que, em Corinto, acreditassem que o falar em línguas fosse o maior dom. Esse conceito está errado. O que Paulo estava afirmando era a manifestação do Espírito, a grande variedade e diversidade dos dons do Deus Trino (12.4-6), e a importância de usar esses dons para ajudar os outros.

Quinta - Lc 16.19-21 –LBJ-O materialismo promove a indiferença.

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.
Finalmente, considerando a atitude dos fariseus a respeito do dinheiro (eles eram avarentos, 16.14), Jesus deu um exemplo que retrata vividamente o valor do dinheiro à luz do julgamento futuro. Este Lázaro não deve ser confundido com o Lázaro a quem Jesus ressuscitou dos mortos em João 11. Por acaso, é a única pessoa de todas as parábolas de Jesus que recebe um nome. O homem rico desta parábola tinha o estilo de vida que podiam ter os ricos que viviam no império romano. Roupas esplêndidas, alimentos deliciosos de todos os tipos e dias passados regaladamente tinham aqueles que possuíam bastante dinheiro. Em contraste, há um pobre mendigo cheio de chagas. A Roma antiga não tinha classe média - havia os muito ricos e os muito pobres. Frequentemente, os muito pobres eram reduzidos à mendicância para poder sobreviver, Este homem, Lázaro, estava doente, faminto e abandonado, de modo que jazia à porta do outro, e desejava alimentar…

Quinta - 1 Co 12.1 – LBA - Não devemos ser ignorantes acerca dos dons espirituais.

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.
Aparentemente, os crentes de Corinto haviam pedido que Paulo respondesse à questão acerca dos dons espirituais. Os dons espirituais eram concedidos gratuitamente por Deus a fim de capacitar as pessoas a atender às necessidades do corpo de crentes e permitir-lhes realizar uma obra extraordinária para Deus. Paulo não queria que os crentes fossem ignorantes sobre esses dons, mas que os entendessem e usassem para a glória de Deus.

Quarta - Lc 12.19-21 –LBJ- O materialismo não enriquece.

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.
O homem rico não estava preocupado com mais ninguém, nem mesmo com Deus. Sem nenhuma perspectiva eterna, a vida do homem estava completamente concentrada nas coisas temporais. O seu objetivo era descansar, comer, beber e folgar, o que revela o seu desejo de simples autoindulgência. Ele pensava que, com os celeiros armazenando montanhas de riquezas para o futuro, ele tinha tudo completamente sob seu controle. O homem rico tinha cometido um erro fatal: havia se esquecido de colocar Deus no centro da sua vida. Preocupado exclusivamente consigo mesmo, quando chegasse a hora de estar diante de Deus, este homem não seria nada além de um louco.
A moral da história: o tolo passa todo o seu tempo acumulando tesouros terrenos mas não é rico para com Deus. A questão decisiva é para quem os tesouros estão sendo guardados. Se para si mesmo, então os males da riqueza sobrevirão. Ser rico para com Deus significa usar a riqueza que Ele prov…

Quarta - At 10.44-46 - LBA- A glossolalia.

Extraído do livro comentário novo testamento aplicação pessoal.

10.44 O sermão de Pedro foi interrompido pelo Espírito Santo, que caiu sobre todos os que ouviam a palavra. Diferentemente dos crentes samaritanos - que tinham esperado entre a fé e o batismo no Espírito, que tinha vindo através da imposição das mãos dos apóstolos (veja 8.17,18) — o Espírito caiu sobre estes crentes gentios, da mesma forma como tinha acontecido no primeiro Pentecostes - sem a imposição de mãos, sem orações pedindo a vinda do Espírito; Deus simplesmente o fez!
10.45,46a Os crentes que eram da circuncisão (os judeus) e que tinham vindo com Pedro (10.23), maravilharam-se de que o mesmo fenômeno do Pentecostes estivesse sendo concedido aos gentios. Como no Pentecostes, registrado no capítulo 2, estes gentios falaram em línguas e magnificaram a Deus. Este era um testemunho poderoso de Pedro e do seu grupo judeu sobre a necessidade de aceitar plenamente os crentes gentios no corpo de Cristo. Quaisquer que fossem …

OS ANJOS, E O ANJO DO SENHOR

Jz 2.1 “E subiu o Anjo do SENHOR de Gilgal a Boquim e disse: Do Egito vos fiz subir, e vos trouxe à terra que a vossos pais tinha jurado, e disse: Nunca invalidarei o meu concerto convosco.” A Bíblia menciona frequentemente os anjos; o presente estudo provê uma noção geral do ensino bíblico a respeito dos anjos. ANJOS. A palavra “anjo” (hb. malak; gr. angelos) significa “mensageiro”. Os anjos são mensageiros ou servidores celestiais de Deus (Hb 1.13,14), criados por Deus antes de existir a terra (Jó 38.4-7; Sl 148.2,5; Cl 1.16). (1) A Bíblia fala em anjos bons e em anjos maus, embora ressalte que todos os anjos foram originalmente criados bons e santos (Gn 1.31). Tendo livre-arbítrio, numerosos anjos participaram da rebelião de Satanás (Ez 28.12-17; 2Pe 2.4; Jd 1.6; Ap 12.9; ver Mt 4.10 nota) e abandonaram o seu estado original de graça como servos de Deus, e assim perderam o direito à sua posição celestial (ver o estudo PODER SOBRE SATANÁS E OS DEMÔNIOS. (2) A Bíblia fala numa vasta …

A DESTRUIÇÃO DOS CANANEUS

Js 6.21 “E tudo quanto na cidade havia destruíram totalmente a fio da espada, desde o homem até à mulher, desde o menino até ao velho, até ao boi e gado miúdo e ao jumento.” (1) Antes de a nação de Israel entrar na terra prometida, Deus tinha dado instruções rigorosas quanto ao que deviam fazer com os moradores dali —deviam ser totalmente destruídos. “Porém, das cidades destas nações, que o Senhor, teu Deus, te dá em herança, nenhuma coisa que tem fôlego deixarás com vida. Antes, destruí-las-ás totalmente: aos heteus, e aos amorreus, e aos cananeus, e aos fereseus, e aos heveus, e aos jebuseus, como te ordenou o Senhor, teu Deus” (Dt 20.16,17; cf. Nm 33.51-53). (2) O Senhor repetiu essa ordem depois dos israelitas atravessarem o Jordão e entrarem em Canaã. Em várias ocasiões, o livro de Josué declara que a destruição das cidades e dos cananeus pelos israelitas foi ordenada pelo Senhor (Js 6.2; 8.1-2; 10.8). Os crentes do novo concerto frequentemente argumentam sobre até que ponto essa…

O CONCERTO DE DEUS COM OS ISRAELITAS

Dt 29.1 “Estas são as palavras do concerto que o SENHOR ordenou a Moisés, na terra de Moabe, que fizesse com os filhos de Israel, além do concerto que fizera com eles em Horebe.” O CONCERTO NO MONTE SINAI (HOREBE). Deus fez um concerto com Abraão e o renovou com Isaque e Jacó (ver o estudo O CONCERTO DE DEUS COM ABRAÃO, ISAQUE E JACÓ). O concerto de Deus com os israelitas, feito ao sopé do monte Sinai (ver Êx 19.1 nota), abrange os dois princípios básicos tratados no estudo supra citado. (1) Unicamente Deus estabelece as promessas e compromissos do seu concerto, e (2) aos seres humanos cabe aceitá-los com fé obediente. A diferença principal entre este concerto e o anterior é que Deus fez um sumário das respectivas promessas e responsabilidades do concerto antes da sua ratificação (Êx 24.1-8). (1) As promessas de Deus, neste concerto, eram basicamente as mesmas que foram feitas a Abraão (ver Êx 19.1 nota). Deus prometeu (a) que daria aos israelitas a terra de Canaã depois de libertá-los…

O TEMOR DO SENHOR

Dt 6.1-2 “Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o SENHOR, vosso Deus, para se vos ensinar, para que os fizésseis na terra a que passais a possuir; para que temas ao SENHOR, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados.” Um mandamento frequente ao povo de Deus do AT é “temer a Deus” ou “temer ao Senhor”. É importante que saibamos o que esse mandamento significa para nós como crentes. Somente à medida que verdadeiramente temermos ao Senhor é que seremos libertos da escravidão de todas as formas de temores anormais e satânicas. O SIGNIFICADO DO TEMOR DE DEUS. O mandamento geral de “temer ao Senhor” inclui uma variedade de aspectos do relacionamento entre o crente e Deus. (1) É fundamental, no temor a Deus, reconhecer a sua santidade, justiça e retidão como complemento do seu amor e misericórdia, i.e., conhecê-lo e compreender…

O VINHO NOS TEMPOS DO ANTIGO TESTAMENTO

Nm 6.3 “de vinho e de bebida forte se apartará; vinagre de vinho ou vinagre de bebida forte não beberá; nem beberá alguma beberagem de uvas; nem uvas frescas nem secas comerá.” PALAVRAS HEBRAICAS PARA “VINHO”. De um modo geral, há duas palavras hebraicas traduzidas por “vinho” na Bíblia. (1) A primeira palavra, a mais comum, é yayin, um termo genérico usado 141 vezes no AT para indicar vários tipos de vinho fermentado ou não-fermentado (ver Ne 5.18, que fala de “todo o vinho [yayin]” = todos os tipos). (a) Por um lado, yayin aplica-se a todos os tipos de suco de uva fermentado (Gn 9.20,21; 19.32-33; 1Sm 25.36,37; Pv 23.30,31). Os resultados trágicos de tomar vinho fermentado aparecem em vários trechos do AT, notadamente Pv 23.29-35 (ver a próxima seção). (b) Por outro lado, yayin também se usa com referência ao suco doce, não-fermentado, da uva. Pode referir-se ao suco fresco da uva espremida. Isaías profetiza: “já o pisador não pisará as uvas [yayin] nos lagares” (Is 16.10); semelhan…