Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2016

Estudo : Milênio - Um Tempo Glorioso para a Terra

“Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte, mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele mil anos” (Ap 20.6).
A tragédia do pecado transtornou toda a ordem que reinava no planeta. O homem, criado à “imagem de Deus”, perdeu a glória que o Criador imprimiu em sua estrutura espiritual, emocional e física. O resultado foi a doença, o envelhecimento e a morte, no aspecto físico (Gn 3.19). O homem conheceu a morte espiritual, ou seja, a separação de Deus, e se torna morto “em ofensas e pecados” (Ef 2.5; Gn 2.17). E conheceu o mais terrível inimigo, depois de Satanás - a morte física (1 Co 15.26; Rm 5.12). Suas estruturas, seus nervos, suas células, seus tecidos, seu corpo todo e sua mente sofreram o impacto violento de mudanças radicais. Sua energia vital foi reduzida a um nível tão baixo, que, hoje, um vírus ou um micróbio pode levá-lo à morte física. Basta que o cérebro fique privado de oxigênio durante doi…

Estudo: A Grande Tribulação

1. Significado e Período Como visto em capítulos anteriores, após o arrebatamento da Igreja, dois eventos ocorrerão no céu: o Tribunal de Cristo, para efeito de concessão de galardões aos salvos (2 Co 5.10) e as Bodas do Cordeiro, que é união entre Cristo e a Igreja para sempre (Ap 19.7-9; 21.9). Essa passagem da Igreja pelo céu deve durar sete anos. Enquanto isso, aqui, na terra, haverá a Grande Tribulação, que também durará sete anos, conforme dão a entender os livros da Bíblia que falam do fim dos tempos. A Grande Tribulação será um período de sete anos, entre o arrebatamento da Igreja e a vinda de Jesus em glória (2a fase, para reinar). a) Juízo sobre as nações. Naquele período catastrófico, os judeus serão os mais afetados (Mt 24.15-20; Mc 13.14-23), mas todos os que estiverem vivos, na terra, sofrerão suas conseqüências trágicas. Porque, eis que, na cidade que se chama pelo meu nome [Jerusalém], começo a castigar; e ficareis vós totalmente impunes? Não, não ficareis impunes, porqu…

O sangue de Jesus tem poder!

POR: CARLOS  KLEBER  MAIA
Os cristãos frequentemente clamam pelo sangue de Jesus. Ouvimos alguém dizer: “Jesus me cobre com seu sangue”. Cremos que o sangue de Jesus tem poder e cantamos o hino que diz: “há poder, sim, força e vigor neste sangue de Jesus”. Mas poucos cristãos podem explicar o que o “poder do sangue” significa. Invocam-no como um tipo de fórmula mística de proteção. Porém, precisamos entender que a Palavra de Deus usa a expressão “sangue de Cristo” com um significado que nada tem de misticismo.
O significado do sangue de Cristo

A expressão “sangue de Cristo” é usada no Novo Testamento para referir-se ao líquido vermelho que circulava nas veias e nas artérias de Jesus (Lc 22.44), e incluem a realidade de que Ele literalmente sangrou como resultado dos açoites, dos cravos que transpassaram suas mãos e pés, a coroa de espinhos cravada na sua cabeça e a lança que feriu o seu lado (Jo 19.1,2,17,18,34). Mas esta expressão refere-se muito mais à morte sacrificial e expiatória de…

Comentarista de Lições Bíblicas fala de Romanos, tema da revista do 2º trimestre deste ano.

Imagem
Pastor José Gonçalves
Comentarista de Lições Bíblicas fala de Romanos, tema da revista do 2º trimestre deste ano.
José Gonçalves é pastor em Água Branca, Piauí, graduado em Teologia pelo Seminário Batista de Teresina e em Filosofia pela Universidade Federal do Piauí. Ensinou grego, hebraico e teologia sistemática na Faculdade Evangélica do Piauí. É comentarista de Lições Bíblicas da Escola Dominical da CPAD e autor dos livros: Missões – o mundo pede socorro (Ed Halley); Por que Caem os Valentes (CPAD); As Ovelhas Também Gemem (CPAD); Defendendo o Verdadeiro Evangelho (CPAD); A Prosperidade à Luz da Bíblia (CPAD); Rastros de Fogo – o que diferencia o pentecostes bíblico do neopentecostalismo (CPAD); Porção Dobrada (CPAD); Sábios Conselhos para um Viver Vitorioso (CPAD); Lucas: o Evangelho de Jesus, o Homem Perfeito (CPAD) e coautor do livro: Davi – as vitórias e derrotas de um homem de Deus (CPAD, prêmio ABEC). É presidente do Conselho de Doutrina da Convenção Estadual das Assembleias de…

Compreendendo nossos limites: aprendendo com os erros de Uzias .

Na vida espiritual, não basta começar bem; devemos continuar e terminar bem. Entre as muitas biografias registradas na Bíblia, encontramos em 2 Crônicas 26 a história de um homem que reinou 55 anos em Jerusalém. A sua carreira começou aos 16 anos, animado, sincero, fazendo o que era reto aos olhos de Deus. Seu nome era Uzias. Ele dedicou-se a buscar o Senhor, e Deus o fez crescer e prosperar em todas as áreas do seu governo. O seu nome atravessou fronteiras, de maneira que até no Egito se falava da prosperidade do rei Uzias. O seu governo voltou-se à agricultura, e ele fez também um projeto de irrigação, fazendo crescer nos vales o numero dos lavradores e vinhateiros. Uzias apoiou grandemente a pecuária e o numero do gado se multiplicou. Escolheu homens destros nas armas e formou um forte exército com 307.500 soldados habilitados para guerrear. Também foi cuidadoso na preparação das armas para o uso dos  seus comandados, mandando produzir escudos, lanças, capacetes, couraças, arcos, fu…